Como assim “alguém representa um ancestral?” – Isabela Couto Machado