Quantas Constelações preciso fazer? Constelação Familiar – Constelação Familiar Sistêmica

Quantas Constelações preciso fazer? Constelação Familiar

🤔 – Isabela, porque você não atende mais quem fez Constelação Familiar recentemente? Não gostei…

😑 – Por coerência. Cada vez mais está bastante claro pra mim que a gente se resolve com duas ou três Constelações (((na vida inteira))).

No mais é Lei Sistêmica na veia e muita concordância com o realzão (e isso dispensa constelação).

Números de sessões de CF não resolvem. Isso seria acreditar que o método faz algo por nós ou que estamos no controle (barganha: quanto mais eu for lá, mais recompensa terei).

Tenho minhas dúvidas. E eu as tenho porque já atendi mais de 1330 pessoas e o que eu estou percebendo é que o excesso disso tudo está fazendo mais mal que bem.

Tudo que gera dependência é estranho. O que aprendo do campo é que ele nos diz mais “vai” do que “fica”.

■ Aula ao vivo toda 4f as 21h

Se você chegou agora nas Constelações vai lá, faz sua CF, frequenta umas vivências como representante por um tempo. É tudo bem-bom. Uma descoberta realmente extraordinária. Depois, avante.

Se você já chegou há um tempo e está estudando pra ser um constelador. Perceba mesmo tudo o que há pra ser percebido. Depois, serviço.

Se você é um usuário, um frequentador, um buscador, exponha-se também aos movimentos “pós-consciências pessoal e arcaica” – caso contrário a gente emperra a vida de novo (autossabotagem disfarçada de Constelação seguidas vezes).

Entre as hipóteses todas para explicar o que muda de fato a vida das pessoas na Constelação Familiar não fico com a quântica, nem com a mágica, nem tão pouco com a espiritualidade. Entre as hipóteses para explicar o que muda a vida das pessoas fico com a hipótese-POSTURA.

Postura = novos hábitos (hábitos de alma).

Muitos podem dizer: ah… mas tenho muitos temas, Isabela.

Será mesmo?

■ Reprise das aulas no Alma Flix

Não há vários temas como por vezes entendemos ter, pessoal. Pensar assim é bem pouco sistêmico. Quer ver?

Sabe aqueles dominós enfileirados? Dá um peteleco no primeiro e o resto todo se movimenta. Sistêmico.

Aparentemente há múltiplas demandas, mas na verdade o campo indica algo tão essencial e estrutural na sua Constelação que se a pesssoa deixar-se engravidar por tal imagem na sua sessão, voalá: “des-dára” muitos dos seus nós. Um fileira de outros temas vão ao chão.

Basta esperar o campo agir, exercitar as posturas silenciosamente, calmamente e com diligência. Sem ânsia.

Fica um ano assim. Dois anos. Con-centre-se. Assim a gente ganha lucidez e tem as chances multiplicadas.

O problema está ai, contudo. Poucos tem essa coragem de esperar.

1 ano? 2 anos? Afff Isabela… (é o que mais ouço).

Sim gente. Coragem. Ir pra fora do grupo exige coragem. Ir pra fora da moda exige coragem. Ir pra fora do campo, idem.

Cuidado viu gente. Modismo é movimento de manada. Tudo que está nesse movimento cego, temos aprendido com o campo, é anti-vida. Cuidado.

Agora, eu não compreendo porque alguns ficam incomodados com tantas boas notícias.

Estou dizendo que em pouquíssimas sessões bem aproveitadas, muito pode positivamente ser mudado em nossas histórias.

Estou dizendo sejam autônomos e se emancipem do campo-cego, da moda, da manada, do amor-cego, do pertencer a qualquer custo.

Estou dizendo para irem além da consciência pessoal e da consciência arcaica.

Estou dizendo o que Bert sempre diz. Desemaranha do movimento de grupo e vai ser você.

Oras, traduzindo. Enquanto todo mundo zig, você zag (mas zaga com reverência e amor). Assim avançamos vinculados e acrescidos. Para o Mais.

Isso é Geist. Isso é consciência de solução. É pra esse lugar que Hellinger nos aponta. Pós-moda, pós-grupo, pós-pertencimento, pós-cegueira e por que não dizer pós-constelação.

Pós. Somos….


Isabela Couto | Psicanalista | Constelação Familiar com Treinamento pelo Idesv

Deixe um comentário