Como “incluir” quem nos magoa? – Constelação Familiar Sistêmica

Como “incluir” quem nos magoa?

 

[Pergunta] Como incluir os parentes de meu marido que desrespeitam meus filhos e que são sempre indiferentes?

[Comentário Possível] É algo simples. Deixe o outro ser quem ele é e desista de ter razão.

Isso exige muito, mas funciona.

 

Inlcuir

Lembrando que incluir não é fazer churrasco e coisa tal.

Incluir é respeitar genuinamente – ou seja, por nem 1 segundo se achar melhor que eles por isso ou por aquilo.

 

Auto-defesa

Sempre que acontece algo inesperado e que eu me sinto atingida verifico o que estou defendendo.

Geralmente estou defendendo meus valores e sendo fiel a um monte de valores-de-família que me ensinaram.

Estou, na verdade, sendo fiel ao meu sistema.

Atendimento Online com Bonecos

 

Os fiéis

Contudo, o outro, por sua vez, também tem o sistema dele e vai ser fiel ao sistema dele e não ao meu.

Então, a confusão está posta.

Eu me sinto no direito de ficar brava e a pessoa se sente no direito de continuar a fazer como ela faz.

Ambos os lados ficam cheios de direitos e se batendo de frente.

E ambos fazem isso, cada qual do seu lado, de consciência tranquila – porque afinal de contas se sentem ambos justificados.

Na guerra é assim.

Cada lado mata o outro lado com consciência tranquila e cheios de razão argumentam: estou defendendo meus, minha pátria, os meus.

 

Assista os vídeos no youtube

 

Do estreito ao amplo

Isso empobrece os relacionamento que precisam sair do âmbito-estreito de “meus valores x seus valores” e irem em direção a algo-maior.

-Que “algo-maior” seria esse?

-Deixar o outro ser quem ele é, desistindo de ter razão.

 

Como?

Toda vez que a parte estreita de sua mente – que Bert chama de Consciência Pessoal – quiser contar e recontar essa história toda que lhe magoa buscando “suas razões” e etc, freie esse impulso bélico de defesa de “seus valores” e diga a essa consciência-estreita:

… eles são como são e está tudo como deve ser. Lá é outro sistema e a partir de agora eu escolho ficar bem com isso.

… eu não sou melhor que eles.

 

Construindo a paz

A paz, assim, é construída aos poucos.

No latim “outro” que dizer estranho.

Oportuno, não é?

A gente pode aprender a se amplificar e aprender a conviver com o estranho a nós.

Há leveza assim.

 

Isabela Couto | Psicanalista | Constelação Familiar | Atendimento Online com Bonecos e Cursos

Mini-Curso Gratuito 10x mais resultados com a sua Constelação Familiar

 

8 comentários em “Como “incluir” quem nos magoa?”

  1. Poxa Isabela, seus textos têm sido tão assertivos em relação à momentos específicos que estou passando, que parecem personalizados. E que objetividade e clareza! Agradeço demais!

    • Oi Yuri… uai que bom…. Sei como é…. Quando a gente lê algo e cai umas fichas. Fico feliz que o ajude… Abraco

  2. Nossa Isabela, como esse texto serviu pra mim, estou passando por um processo de aprender a conviver com o meu patrão,e ele é muito diferente de mim, agora vou olhar pra ele dessa forma,a partir de agora eu escolho ficar bem com isso

    • Oi Sônia… que bom ein. É assim mesmo. A gente pode ir aplicando esse conhecimento em todas as áreas de nossas vidas. Desejo sucesso a vc

  3. Olha! vc me surpreende, eu tb fiz curso de formação no Idesv, gosto muito dos seus textos…..como nos ajuda a refletir!
    Obrigada pela sua contribuição! O seu sistema está muito feliz por vc estar passando a frente tanta coisa boa!

    Um grande abraço

    Luciane Siqueira

  4. Bom dia, Isabela!

    Nossa é tão lindo este seu trabalho, acredito no fundo do coração que estes ensinamentos possa mudar muitas pessoas, te acompanha sempre com sua mensagens. Queria poder levar meu filho que tem TOD para consultar com você, mas não tenho condições financeiras, até arrumei pessoas que cobram um valor mais em conta. Mas não tive confiança como você passou em seus comentários. Se você é mãe pode me intender quando vê que seu filho precisa de ajudar e com os recursos que tem não vê resultados, é uma angustia a atrás da outra, uma esperança após a uma outra tentativa. Mas nunca desistir. Parabéns pelo seu trabalho.
    Adeane

Deixe uma resposta para Sônia Cancelar resposta