As leis que ajudam a VIDA dar certo! – Constelação Familiar Sistêmica

As leis que ajudam a VIDA dar certo!


Você acha que amor salva tudo, resolve tudo?

Mas, como explicar que em tantas famílias onde o amor está presente também haja suicídios, insatisfação, depressão, agressividade, doenças somáticas, síndromes do pânico, etc?

Essa é uma das perguntas levantadas por Bert Hellinger, filósofo e facilitador de Constelação Familiar.

Há algo mais, há algo além do amor que possibilita o ”bom funcionamento” de uma pessoa que está em relação com o mundo e consigo mesma.

Esse algo mais são as Leis Sistêmicas: ordem, pertencimento e equilíbrio.

 

PERTENCIMENTO

Toda família é uma célula, um organismo, um sistema – daí o nome ‘filosofia sistêmica’ ou ‘pensamento sistêmico’ ou ainda ‘terapia sistêmica’.

Toda família tem sua Alma, tem sua consciência-de-grupo.

Cada pessoa também tem sua individualidade, claro.

Mas, essa individualidade sempre está amarrada ao grupo.

Todos os membros familiares estão em uma relação.

Estamos em rede, como na internet. Uns ligados aos outros. Conectados.

Mas, no caso da família não há como se des-conectar num clique.

Uma vez nascido naquele grupo, você é o grupo (eis a Lei do Pertencimento).


● Atendimento Online com bonecos


 

A palavra que ninguém gosta

Nesse ponto vale dizer que opera aí, nessas leis, um determinismo.

Ninguém gosta dessa palavra porque sugere limite, destino, menos-liberdade.

E é isso mesmo: destino.

 

Destino x Fatalidade

Contudo, isso não lhe tira a possibilidade de agir livre e criativamente para ”fazer um pouco diferente” em relação ao que seu grupo já fizera outrora.

Não, não se trata disso!

De forma alguma o pensamento sistêmico é contra o fazer-diferente.

Muito pelo contrário.

O movimento sistêmico é potencialmente CRIADOR – caso contrário não haveria margem para a evolução, ou para o desenvolvimento humano, não é verdade?

Caso contrário numa família de alcoólicos só poderiam haver alcoólicos e fim de papo.

Mas a gente sabe, por experiência e observação, que não é assim.

Aqui estamos falando de destino e não de fatalidade.

 

Fazer diferente é excelente, mas…

Você pode sim fazer-diferente. O que lhe fará ter sucesso ou não neste ”fazer-diferente”, contudo, será a sua POSTURA.

Nesses tempos de experiência com as Constelações Familiares já vi muita gente esnobando seu grupo-familiar para impôr o seu fazer-diferente. 

Sabe o que aconteceu? 

Insucesso, doença, fracasso e anos de terapia.

 

Boa postura e reconhecimento ao povo do passado

Na verdade a maioria dos fora-da-lei que conheci queriam fazer melhor sublinhando as limitações dos mais antigos do grupo.

A postura estava desajustada e ruim.

Isso quase nunca dá certo.

Por outro lado já vi gente também pedindo benção lá no seu íntimo, pedindo permissão aos seus ancestrais, aos seus pais e avós; pedindo (silenciosamente, posturalmente, intimamente) para os mais experientes um olhar de amor.

Ah! A postura é bem outra. Quando o ”como” é respeitoso, há vida e vida em abundância.


Aprenda a pensar sistemicamente | Ganhe autonomia com o Curso de Filosofia Sistêmica


Ordem e prosperidade

Assim, junto ao passado e fincado no presente, os negócios prosperam, a saúde vinga, os relacionamentos são plenos, a vida fica a nosso favor. 

Tudo por conta do detalhe: postura respeitosa diante dos mais velhos e mais experientes da tribo, do clã, do grupo-familiar.

Os mais antigos são a razão de você estar vivinho, respirando e lendo esse artigo, por exemplo. 

Não teria asfalto, nem engenharia, nem a roda, nem a luz, nem a água encanada sem eles.

Então, onde está nossa gratidão?

 

Há grandeza na Ordem

Respeitar a história ancestral, eis aí a Lei da Ordem (hierarquia). 

Queiramos ou não, ela atua em nossa psiquê.

A consciência familiar, a grande Alma existe a milhares de anos.

Tanta grandeza e precedência merece nossos agradecimento.

Sempre que quero me lembrar disso me pergunto algo bem bobinho:

que idade você tem mesmo, ein Isabela?”

Isso me devolve ao meu lugar (ordem).

 

EQUILÍBRIO

Primeira coisa que a gente precisa compreender aqui é que entre pais-e-filhos não há e nunca haverá equilíbrio de relação.

Pense comigo. 

Os pais são os grandes, os filhos são os pequenos.

Mesmo quando os filhos já passaram dos 40 anos de idade, os pais sempre serão os grandões.

Lembra que falei de determinismo alí em cima? 

Então, biologicamente todos nós viemos de um óvulo + um esperma, certo?

Quem deu vida a quem? Isso mesmo, nossos pais! 

Eles são os mega, top, blaster da ”cadeia alimentar”.

Eles chegaram primeiro e ponto. É indiscutível.

Entre pais e filhos, então, anota aí: vige a hierarquia (ordem) e nunca o equilíbrio.

 

Saiu de casa, muda tudo

Agora, da porta de sua casa pra fora tudo muda – e muito.

Da porta de nossas casas pra fora o equilíbrio é a Lei.

Toda relação de trabalho, com amigos, namorados e namoradas, etc; todos esses relacionamentos funcionam sob a força da lei do equilíbrio e do toma lá/ dá cá.

Não há sucesso nos relacionamento quando só um dá, dá, dá, dá e o outro só toma, toma, toma e toma.

Não há equilíbrio. Com o tempo isso explode em briga, em separação, em cansaço, em esgotamento e frustração.

 

Os (des)equilibrados

”Ele é um desequilibrado” – já ouviu isso? ”Ela é uma desequilibrada”.

Muitos casais terminam suas relações porque vivem desequilibradamente.

O bom facilitador diante de uma demanda relacionada ao tema ”casal” irá detectar exatamente isso: quem é o doador naquela relação e quem é o receptor. 

Depois desse diagnóstico fica bem mais fácil conduzi-los ao equilíbrio.

 

O doador e o receptor

É característica do ”doador” não saber receber.

Ele tem facilidade em ”doar” porque não suporta ”receber” e doando ele se alivia e ”fica livre” – tipo, fiz minha parte.

Mas, agir assim ”afoga” o outro.

O receptor, por sua vez, até consegue ficar ”recebendo” por algum tempo, contudo vai embora ou trai o parceiro logo em seguida (também com a finalidade-secreta de arrumar um motivo pra ir-se embora).

Ao menos é o que observamos na clínica e nos workshops.

As relações que desrespeitam o EQUILÍBRIO podem fracassar feio.

 

Na lei

É isso.

Ordem, Pertencimento e Equilíbrio.

Guardem muito bem isso!

Este é o código de trânsito das relações humanas.

Ficou na Lei a vida é boa!

Saiu da Lei, cuidado.


Isabela Couto | Psicanalista | Constelação Familiar com Treinamento pelo IDESV | Atendimento Online e Presencial com Bonecos

Deixe um comentário