Para além do menos, O MAIS – Constelação Familiar Sistêmica

Para além do menos, O MAIS

profundo

A Constelação Familiar de Bert Hellinger nos ensina o amplo.

Mas, aí a gente se depara com um professor pedindo aos seus alunos para lerem Rubem Alves sublinhando todos os ditongos, os hiatos e os tritongos daquele livro.

An?

Parece piada né, mas aconteceu (e talvez ainda aconteça).

Na verdade muitos de nós passamos a vida assim, olhando para a menor parte, olhando para o não essencial, olhando para a escassez.


Atendimento Online de Constelação Familiar


Enquanto a existência está acontecendo ricamente a gente fica por aí, sublinhando com canetinha fosforescente os defeitos dos irmãos, os limites dos pais, as atrocidades do chefe, as injustiças dos governos, a sujeira das ruas, o cabelo espigado, a roupa que não consigo ter, a viagem que não fiz, a varanda pequena, o relacionamento que acabou, o amor perdido, a casa por arrumar, os filhos gritando, a grama verde do vizinho, etc.

Ao invés de aproveitarmos o texto completo e suas mensagens com muito mais a nos dizer, a gente se perde nos detalhes bem pouco relevantes.
Claro que vamos ficar cansados e vazios no final da vida, no final das linhas.

E quando acabar essa leitura estreitada eu vou aprender o quê?

Que descarreguei por completo uma canetinha de marca-textos, e que dali saí eu manco, oco, desabitado, sozinho e falhado.
O que é que um tritongo pode fazer por mim, por você, por nossa convivência e nossa sociedade?

O que uma ditonga-briga na fila da padaria (por conta dum “furão” apressado) pode me acrescentar a não ser um grande hiato?


Assista os vídeos no Youtube


Treinar nossos olhos pro amplo, pro macro, pro livro todo (pra biblioteca inteira), pra vida e suas multi-relações; isso sim é saúde.

O contrário disso é cansaço e repúdio: qual a memória afetiva esse aluno terá da filosofia marcante de Rubem Alves e de toda a literatura?
Que gosto, que incentivo para um próximo passo, para uma próxima leitura?

Chega de superfície, de verniz, de casca.

Chega de ditongos, de hiatos e de tristes tritongos.

O que importa é o fôlego que você tem para mergulhar. Se tiver o suficiente, poderá ver o fundo.

Desejo-nos mais um mergulho


Isabela Couto | Psicanalista| Constelação Familiar com Treinamento pelo #IDESV | Wapp (31) 9 8269-8379 | Atendimento ONLINE e presencial

Deixe um comentário